....................
............................

E NOIS

E NOIS

terça-feira, 21 de junho de 2016

Juiz tranca menores assaltantes e sugere aos “defensores humanos” que os adotem


Os ativistas dos “direitos humanos” (entenda-se bajuladores de criminosos) no Brasil, geralmente são boçais que vivem à custa do povo ou militam em alguma agremiação da esquerda movida a caviar e whisky importado com envelhecimento nunca inferior a 12 anos.
Pois bem, algumas dessas anomalias humanas, perfeitamente descartáveis por absoluta inutilidade, foram contempladas com uma sugestão, no mínimo supimpa, de um desembargador mineiro cuja visão diverge da maioria de seus pares por ser inteligente e ter responsabilidade para com a sociedade a quem serve.
S. Exa. o desembargador Rogério Medeiros Garcia de Lima (Belo Horizonte, MG) enviou à Folha de São Paulo, uma carta onde ironiza quatro dessas bestas hubanas que vivem paparicando bandidos de todos os tipos.
Diz a carta do desembargador…“Tenho uma sugestão ao professor Paulo Sérgio Pinheiro, ao jornalista Jânio de Freitas, à ministra Maria do Rosário e a outros tantos admiráveis defensores dos direitos humanos no Brasil.
Criemos o programa social “Adote um Preso”.
Cada cidadão aderente levaria para casa um preso carente de direitos humanos.
Os benfeitores ficariam de bem com suas consciências e ajudariam, filantropicamente, a solucionar o problema carcerário do país.
Sem desconto no Imposto de Renda.
Agora, com o morticínio de presos no Maranhão, jornalistas e intelectuais “engajados” escrevem e opinam copiosamente sobre a questão carcerária e os direitos fundamentais. São como urubus, não podem ver uma carniça.
Quando eu era juiz da infância e juventude em Montes Claros, norte de Minas Gerais, em 1993, não havia instituição adequada para acolher menores infratores.
Havia uma quadrilha de três adolescentes praticando reiterados assaltos.
A polícia prendia, eu tinha de soltá-los.
Depois da enésima reincidência, valendo-me de um precedente do Superior Tribunal de Justiça, determinei o recolhimento dos “pequenos” assaltantes à cadeia pública, em cela separada dos presos maiores.
Recebi a visita de uma comitiva de defensores dos direitos humanos (por coincidência, três militantes).
Exigiam que eu liberasse os menores.
Neguei.Ameaçaram denunciar-me à imprensa nacional, à corregedoria de justiça e até à ONU.
Eu retruquei para não irem tão longe, tinha solução.
Chamei o escrivão e ordenei a lavratura de três termos de guarda: cada qual levaria um dos menores preso para casa, com toda a responsabilidade delegada pelo juiz.
Pernas para que te quero!
Mal se despediram e saíram correndo do fórum.
Não me denunciaram a entidade alguma, não ficaram com os menores, não me “honraram” mais com suas visitas e … os menores ficaram presos.
É assim que funciona a “esquerda caviar”, concluiu S. Exa.
Se 50% dos juízes brasileiros tivessem a metade da inteligência e responsabilidade desse desembargador, as leis brasileiras seriam cumpridas à risco em vez de serem desmoralizadas por qualquer cretino que se acha no direito de conspirar contra o povo desse miserável país, bajulando bandidos e lhes dando apoio à nossa custa.
Parabéns ao digníssimo Meritíssimo Desembargador Rogério Medeiros Garcia de Lima.
É um orgulho e uma honra tê-lo entre nós, os brasileiros de bem!

"Vem pra cá, meu filho, antes que o ser humano faça alguma coisa e acabem nos culpando"



Caruaru paga R$ 575 mil


Em meio à crise econômica e sofrendo com os efeitos da seca, a cidade pernambucana de Caruaru –conhecida por ter uma das principais festas de São João do país– vai gastar R$ 575 mil por um show do cantor Wesley Safadão.
O valor do cachê foi divulgado esta semana pela Fundação Cultural de Caruaru, órgão municipal que organiza a festa, e é 85% maior do pago pela prefeitura pelo mesmo artista na festa junina do ano passado.
O show está previsto para acontecer no próximo sábado (25). Seis dias depois, o cantor de forró cantará no São João de Campina Grande, na Paraíba, por um cachê de R$ 295 mil, sendo 195 mil da prefeitura e R$ 100 mil de um patrocinador.
Revelado pela banda Garota Safada, Wesley Safadão é atualmente um dos artistas de maior sucesso do país com músicas como "Aquele 1%" e "Camarote". Costuma ser recebido nos shows por fãs histéricas que gritam: "vai, Safadão, vai, Safadão".
Neste mês de junho, Safadão tem 30 shows programados em 13 Estados. Nos dias 24, 25 e 26 fará dois shows por dia em cidades da Bahia, Pernambuco e Paraíba.
Além dos R$ 575 mil destinados ao cantor, a prefeitura de Caruaru gastará outros R$ 3,5 milhões com a contratação de artistas para o São João.
Pagará R$ 325 mil por um show do cantor sertanejo Luan Santana, R$ 280 mil pelo cantor de axé Bell Marques, R$ 250 mil pela banda Aviões do Forró e R$ 180 mil pela dupla sertaneja Matheus e Kauan.
Artistas locais terão cachês mais modestos. Silvério Pessoa receberá R$ 15 mil e a banda caruaruense Fulô de Mandacaru, que participa do programa "Superstar", da Rede Globo, terá R$ 12 mil. O custo total da festa é de R$ 13 milhões.
EMERGÊNCIA
Os gastos contrastam com a situação financeira e social do município, comandado pelo prefeito José Queiroz (PDT). Enfrentando os efeitos da estiagem, Caruaru teve situação emergência decretada pelo Ministério da Integração Nacional em maio.
A cidade de 277 mil habitantes vive uma situação insegurança hídrica: na maioria dos bairros, os moradores recebem água por quatro dias e ficam outros oito sem abastecimento, em sistema de rodízio.
A prefeitura também vive um cenário de crise financeira. Entre janeiro e abril deste ano, a arrecadação do município foi de 187,9 milhões, uma queda de 8% comparado ao mesmo período do ano passado, em valores corrigidos pela inflação.
O gasto com pessoal está em 55,4% da receita, acima do limite previsto pela Lei de Responsabilidade Fiscal.
Nesta segunda-feira (20), os gastos com cachês foram questionados pelo Ministério Público Federal, pelo Ministério Público do Estado de Pernambuco e pelo Ministério Público de Contas.
OUTRO LADO
Em nota, a prefeitura de Caruaru informou que o aumento de 85% no valor do contrato com Wesley Safadão entre 2015 e 2016 "deve-se ao sucesso internacional que o mesmo atingiu, fazendo com que o seu cachê fosse valorizado".
Ainda afirma que a maior parte dos recursos destinados ao São João é através de captação junto a empresas privadas.
Sobre o a situação financeira da prefeitura, informa "todos os fornecedores estão sendo pagos em dia, a folha de pagamento também e as obras continuam em andamento". E diz que a seca não atingiu diretamente o município.

A assessoria do cantor Wesley Safadão foi procurada, mas não se pronunciou sobre o assunto.

Investigações já não poupam nem os cadáveres


Num cenário em que ninguém está imune às investigações, imaginou-se que as três condições essenciais para alcançar a glória política no Brasil eram: morrer moço, morrer por uma causa perdida e ter um cadáver bonito. Isso já não basta. Eduardo Campos, enterrado como uma espécie de mártir fotogênico, acaba de ser ressuscitado numa nova operação da Polícia Federal.
Deflagrada nesta terça-feira, a Operação Turbulência apura um esquemão de lavagem de dinheiro que movimentou algo como R$ 600 milhões no eixo Pernambuco—Goiás. A polícia chegou à quadrilha ao escarafunchar a propriedade do jato que caiu em Santos na campanha presidencial de 2014. Suprema ironia: o desastre que tirou a vida de Campos levou ao desastre que pode ceifar-lhe postumamente a reputação.
A PF suspeita que o ex-ministro e senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE), já investigado na Lava Jato, tenha feito a intermediação entre a quadrilha e as arcas eleitorais de Eduardo Campos. Além da compra do avião, os desvios teriam bancado as campanhas do ex-governador de Pernambuco em 2010 e 2014.
Surgidas logo depois do acidente fatal, ainda em meio às lágrimas, as informações sobre a propriedade do jato que transportava Campos não cheiravam bem. Agora, diante do monturo apresentado pelos investigadores, o PSB, partido de Campos, divulgou uma nota inodora.

A legenda diz ter “plena confiança na conduta do nosso querido e saudoso Eduardo Campos”. Acrescenta que “apoia a apuração das investigações e reafirma a certeza de que, ao final, não restarão quaisquer dúvidas de que a campanha de Eduardo Campos não cometeu nenhum ato ilícito”. Ora, considerando-se a origem da verba que bancou a compra do avião, já está demonstrado que a campanha, no mínimo, voava nas asas do ilícito.

Cadeia: condenados dez vereadores de Caruaru Juiz condena à prisão vereadores de Caruaru envolvidos na 'Ponto Final 1'


Após uma longa espera foi divulgada no fim da tarde de hoje a sentença dos dez vereadores indiciados pela Operação Ponto Final 1. De acordo com a decisão do juiz Francisco de Assis da Vara Criminal de Caruaru, todos foram condenados, alguns de forma parcial. Mais detalhes ainda hoje no blog. Seguem abaixo as penas de cada vereador. 
Eduardo Cantarelli –  condenado às penas de 08 (oito) anos e 06 (seis) meses de reclusão e 291 (duzentos e noventa e um) dias-multa, cada um fixado à razão de ¼ (um quarto) do salário mínimo vigente à época do fato.

Val das Rendeiras, condenado às penas de 05 (cinco) anos de reclusão e 194 (cento e noventa e quatro) dias-multa, cada um fixado à razão de ¼ (um quarto) do salário mínimo vigente à época do fato.

Jadiel Nascimento – condenado às penas de 08 (oito) anos e 06 (seis) meses de reclusão e 291 (duzentos e noventa e um) dias-multa, cada um fixado à razão de ¼ (um quarto) do salário mínimo vigente à época do fato.

Jajá – condenado às penas de 09 (nove) anos e 01 (um) mês de reclusão e 307 (trezentos e sete) dias-multa, cada um fixado à razão de ¼ (um quarto) do salário mínimo vigente à época do fato.

Evandro Silva – condenado às penas de 05 (cinco) anos de reclusão e 194 (cento e noventa e quatro) dias-multa, cada um fixado à razão de ¼ (um quarto) do salário mínimo vigente à época do fato.

 Sivaldo Oliveira – , condenado às penas de 05 (cinco) anos de reclusão e 194 (cento e noventa e quatro) dias-multa, cada um fixado à razão de ¼ (um quarto) do salário mínimo vigente à época do fato.
Cecílio Pedro – , condenado às penas de 05 (cinco) anos de reclusão e 194 (cento e noventa e quatro) dias-multa, cada um fixado à razão de ¼ (um quarto) do salário mínimo vigente à época do fato.
“Val de Cachoeira Seca – condenado às penas de 05 (cinco) anos e 07 (sete) meses de reclusão e 210 (duzentos e dez) dias-multa, cada um fixado à razão de ¼ (um quarto) do salário mínimo vigente à época do fato.
Louro do Juá – condenado às penas de 05 (cinco) anos e 07 (sete) meses de reclusão e 210 (duzentos e dez) dias-multa, cada um fixado à razão de ¼ (um quarto) do salário mínimo vigente à época do fato.
Neto-  condenado às penas de 05 (cinco) anos e 07 (sete) meses de reclusão e 210 (duzentos e dez) dias-multa, cada um fixado à razão de ¼ (um quarto) do salário mínimo vigente à época do fatos


Onça que participou do revezamento da Tocha Olímpica é morta com tiro após solenidade

Foto: Reprodução

A onça ‘Juma’ que participou do revezamento da Tocha Olímpica na manhã desta segunda-feira (20), foi morta após escapar do interior do zoológico do Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS). Por meio de nota oficial enviada a imprensa o Comando Militar da Amazônia (CMA) confirmou o fato que ocorreu no final da manhã, após a solenidade.
De acordo com a nota, o animal escapou do interior do zoológico do CIGS e foi resgatado por uma equipe de veterinários especializados que dispararam na onça tranquilizantes.
Porém, segundo o CMA, mesmo sob o efeito do remédio a onça avançou em um militar que estava no local e como procedimento de segurança foi disparado nela um tiro de pistola que a matou. O CIGS já determinou abertura de processo administrativo para apurar os fatos.